sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Viagem de despedida

Passei quase um mês bebendo cerveja boa nos EUA. Sim, esse é o resumo da minha viagem. Também tive uma ou outra motivação de cunho pessoal para essa viagem, mas a principal era tomar todas mesmo.
Estive (e bebi) em quatro estados americanos e, segundo meu Untappd, bebi 154 vezes (descontando alguns 6packs no hotel, que não fiz checkin repetidamente), sendo 126 cervejas que nunca havia experimentado antes. O estilo que mais pedi foi American IPA (41 vezes). Tomei algumas cervejas realmente espetaculares, mas a que marcou a viagem foi a Pliny the Elder. (ainda mais por us$5!).

A minha viagem começou no final de semana de Halloween, em Nova Iorque. É muito bar cervejeiro para pouco tempo, então pulei os mais batidos e decidi me dedicar a vasculhar a cena. Afinal, bar em NYC com muita cerveja boa tem aos montes, mas bar com personalidade realmente interessante dificilmente vai ser aquele em Midtown, cheio de turistas cervejeiros. Tudo isso para dizer que comecei a viagem indo a um dos bares que já é estrela de qualquer guia, o Tørst, o bar do cara da Evil Twin. O bar é muito legal mesmo, cheio de cervejas surpreendentes e vale a visita, apesar de ser o mais caro que visitei na cidade. No mesmo dia fui conhecer o Pickle Shack, que tem como sócio o cara da Dogfish Head, com muitas cervejas dele nas torneiras. Dei a sorte de chegar lá no dia do primeiro aniversário do bar, com direito a double de 60 minute IPA para acompanhar a tábua de pickles (o de talo de alho é o melhor, disparado!). Nos dias seguintes fui a muitos outros bares legais, como o Spuyten Duyvil e o Jimmy’s No.43, mas minhas escolhas foram muito pessoais e não vejo sentido em resenhar todos. De qualquer maneira, segue abaixo o link para o mapa contendo todos os bares que visitei em NYC. Se tiver estiver pensando em visitar a cidade e quiser saber mais sobre algum deles, não se acanhe de me procurar por email ou FB.

Com pickles assim quem sente falta de carne?



Próxima parada da minha viagem foi no Colorado. Passei os primeiros quatro dias da visita ao estado entre a fábrica da Coors, em Golden, e o hotel. Meu estágio na Coors teve um motivo especial. Estava lá para participar do curso de Master Draught do Siebel Institute of Technology, ministrado por Marty Schuster que é, segundo ele mesmo, um dos maiores especialistas do assunto nos EUA. Aprendi muito sobre sistemas e serviço de chope e espero no futuro contribuir um pouco para a melhoria do chope servido em São Paulo.
Concluído o curso, sobrou um fim de semana para visitar Denver. Deu tempo de conhecer quatro cervejarias, que ficam próximas ao centro da cidade e mais alguns bares. Destaque para a Great Divide Brewery, com ótimas cervejas em copos de degustação bem servidos, por us$1 cada. Ainda tinha um food truck estacionado na porta. A surpresa foi encontrar, sem querer, no bairro de Sunnyside, onde estava hospedado, a Diebolt Brewing Co., cervejaria novata, mas que tinha acabado de ganhar uma medalha de ouro no GABF com sua brown ale. E vou dizer que realmente foi a melhor brown ale que já tomei. Abaixo o link com todos os bares e cervejarias que visitei em Denver.

Great Divide lotada no Sábado a tarde.



Para a terceira perna da viagem segui rumo a Califórnia. São Francisco era o destino, cidade que conheço há muito tempo, desde quando ainda não tinha idade para beber cerveja. Por isso fui pagar uma dívida pessoal e tomar todas em SF.
Para começar a falar da cena cervejeira da Califórnia, preciso contar uma impressão que tive durante a viagem, antes mesmo de chegar a São Francisco. A indústria cervejeira californiana denominada craft é grande e forte demais. Percebi isso pela presença maciça de boas cervejas californianas tanto em NY quanto no Colorado. Inclusive, cervejas famosas, como a Old Rasputin, encontrei com mais frequência nos bares de NY do que na própria Califórnia, isso sem falar de fabricantes como Sierra Nevada e Lagunitas, que estão  rumando a leste, com uma segunda fábrica.
Mas São Francisco é mesmo a cidade a se visitar nos EUA. Pelo clima e pela paisagem, pelas pessoas e pela diversidade cultural. E pelas cervejas, obviamente! Os destaques da minha estada de duas semanas por San Francisco e região foram os bares Zeitgeist (com o pátio mais esfumaçado da viagem), Toronado (sente no balcão para não levantar mais, com Pliny por us$5 no happy hour) e Stumptown (tenho certeza que esse brewpub de beira de estrada já foi cenário de algum filme. Em Guerneville, CA), as cervejarias Cellarmaker Brewing Co. (pelas pale ales incríveis) e The Rare Barrel (envelhecer cerveja em barris de madeira é muito cool. Em Berkeley, CA). Abaixo o link com todos os bares e cervejarias que visitei em São Francisco e região.

Pliny no parque.


Agora, como é difícil retornar a realidade brasileira depois de um mês bebendo cerveja boa nos EUA. Não que eu não costume beber cerveja boa por aqui, mas a minha relação, como consumidor de cervejas ditas artesanais, especiais ou apenas boas aqui no Brasil, é ainda baseada em muita frustração. Para consumir essas cervejas no Brasil, domésticas ou importadas, é necessário investir muito mais dinheiro e a chance de comprar um produto defeituoso, ou simplesmente ruim, é muito maior. Paga-se mais e corre-se mais risco, esse é o resumo da minha frustração. Pagar R$30 por pint de cerveja nacional, tô fora! Vou voltar para as minhas Eisenbahns, eventuais promoções e o happy hour da Cervejaria Nacional, pois são nessas situações que me sinto menos tapado por ter adquirido esse gosto por boas cervejas.
Esse parágrafo anterior fica como minha última lamúria neste blog. Esse é o último post do Mosto Crítico no blogger.com. Foram três anos escrevendo este blog, muitas inimizades criadas e algumas amizades. Mas para mim já deu e agora quero partir para outra. De qualquer forma, as contas do Mosto Crítico no FB e no twitter continuarão ativas com o mesmo tipo de conteúdo esporádico que costumo publicar por lá.


Boas cervejas e boas viagens a todos! 

3 comentários:

  1. Grande Pacheco ... te acompanho ja faz um tempinho ... tenho o Mosto como um canal para referencias pessoais.

    Mas se por um lado é uma pena sua despedida, tenho certeza que isso lhe dará mais tempo para outros trabalhos de igual sucesso....entao boa sorte.

    Tenho um trabalho bem legal com minha "confraria" aqui em SP ... todo mes monto kits de degustação com valor bem abaixo de mercado ... to ate pensando em mudar o nome para Hobin Hood...rsrs

    Se tiver interesse, me manda um email.

    Abs

    Alexandre Gheorghiu
    https://blogbeerland.wordpress.com/
    blogbeerland@gmail.com

    ResponderExcluir
  2. Uma pena...
    Descobri seu blog ha pouco tempo e faz mt falta para o cenário de cerveja artesanal no país resenhas críticas como as q vc faz... abs

    ResponderExcluir
  3. Uma pena...
    Descobri seu blog ha pouco tempo e faz mt falta para o cenário de cerveja artesanal no país resenhas críticas como as q vc faz... abs

    ResponderExcluir